Instituição

1 – Introdução

As Misericórdias, em Portugal, surgiram graças aos atos piedosos e profundamente religiosos da Rainha D. Leonor, esposa do Rei D. João II.

Assim, em 1498, mandando fundar a Santa Casa de Misericórdia de Lisboa, através do Frei Miguel Contreiras, a Instituição surgiu a partir da remodelação da Confraria de Caridade de Nossa Senhora da Piedade, razão pela qual Nossa Senhora da Piedade aparecer sempre representada na Bandeira Real das Misericórdias.

2 – Fundação da Misericórdia de Armamar

2.1. – As Misericórdias, na sua origem, foram irmandades e confrarias, criadas com a intenção de levarem à prática as 14 obras de misericórdia – as espirituais e as materiais.

Assim, existe um documento – carta de colação – cujo original se encontra na Torre de Tombo, que tudo leva a crer ser a origem da primeira Irmandade ou Confraria de Armamar, com data da segunda metade do século XVI, do reinado de Filipe I

2.2 – Anteriormente à fundação da Santa Casa da Misericórdia de Armamar, no local onde agora tem a sua sede e funciona o Lar de São José – à Rua Dr. Nelson da Silva Pereira, nº 7, em Vila Seca -, outrora, e nas mesmas instalações agora melhoradas e ampliadas, funcionou o Asilo – Hospital – Creche de José Rodrigues Cardoso, cuja somente a valência hospitalar foi avante, sendo, pois, o primeiro hospital a cobrir todo o Concelho de Armamar

O acima mencionado benemérito José Rodrigues Cardoso deixou 10 000 contos para a sua construção, conservação e manutenção – edifício central e o edifício adjacente com capela privativa – cuja obra é toda em granito muito bem trabalhado, iniciou-se em 1926, sendo da autoria dos arquitectos Baltazar da Silva Castro, ex-director geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais, e de Rogério de Azevedo, entrando ao serviço hospitalar, corria o ano de 1931.

O primeiro Compromisso da Santa Casa da Misericórdia de Armamar data de 1954, cujos Estatutos foram aprovados por despacho de 22 de Dezembro de 1954, e publicados no Diário do Governo, nº 2, III S., de 04-01-1955.

De acordo com o disposto no art.º 3º daquele Compromisso compete-lhe manter e administrar o Asilo – Hospital – Creche José Rodrigues Cardoso, que passou para a administração da Santa Casa, em Fevereiro de 1955.

Contudo, no cumprimento do disposto do Decreto-Lei 519-G2/79, de 29 de Dezembro, foi feito novo Compromisso em 1982, que anulou e revogou o anterior.

Assim, o nº 2 do art.º 1º do actual Compromisso da Irmandade da Santa Casa da Misericórdia de Armamar diz o seguinte: “À Misericórdia de Armamar compete obrigatoriamente manter e administrar o Asilo – Hospital – Creche de Vila Seca de Armamar, bem como todos os seus bens”.

Como personalidade jurídica civil, a Irmandade está reconhecida como instituição privada de solidariedade social e, de acordo com a natureza da sua erecção canónica, sujeita ao ordinário diocesano, à semelhança das restantes associações de fiéis.

O registo da Irmandade da Santa Casa, no livro das “Irmandades das Misericórdias – Ministro dos Assuntos Sociais/Direcção-Geral da Segurança Social -, foi feito a 17 de Janeiro de 1983, a fls. 92 e 92 V, sob o nº 5/83, em conformidade com o disposto no º 1 do art.º 14º do Estatuto das Instituições Privadas de Solidariedade Social.

Nossa Senhora da Misericórdia é a padroeira da Santa Casa da Misericórdia de Armamar.

“- Contributos monográficos recolhidos – por José Bernardo Mendes de Carvalho Amaral “


Subscribe US Now